Proposta pede ampliação de recolhimento de óleo vegetal

Assunto foi trazido ao Plenário pela vereadora Maria Eliane Nunes (PMDB)

O descarte inadequado do óleo vegetal em pias de cozinha, lixo comum, diretamente no solo e outros locais incorretos, causa danos significativos ao meio ambiente. A viabilização do descarte correto para o produto é debate na Câmara de Vereadores de Parobé há dois anos.

O assunto foi trazido em 2015 ao Legislativo pela vereadora do PMDB, Maria Eliane Nunes, que na época criou o projeto sugestivo 017/2015, aprovado por unanimidade em Plenário. A matéria previa a criação do Programa Municipal de Tratamento e Reciclagem de óleo de cozinha, óleos e gorduras de origem animal e vegetal. “Precisamos dar uma atenção especial ao tipo de ação que pode causar danos irreparáveis ao meio ambiente”, explica a parlamentar.

Segundo estudos a respeito dos impactos do descarte incorreto, um litro de óleo chega a contaminar 10 mil litros de água, além disso, 40% dos casos de entupimento das tubulações dos municípios são causados por óleo já solidificado.

Neste ano, a Secretaria de Meio Ambiente deu início ao processo de recolhimento dos resíduos. O processo é feito na sede da pasta e na Rua Coberta, sempre na primeira quinta-feira do mês.

“Estamos buscando projetos em parceria com empresas que utilizem o óleo para a fabricação de materiais, como sabão e palmilha de sapatos, por exemplo. Existe a necessidade de uma bomba maior para receber o resíduo, já que a comunidade traz este óleo em garrafas pet que também acabam prejudicando o meio ambiente”, comenta o diretor da secretaria, Carlos Freitas.

Na última semana, a parlamentar apresentou aos vereadores um pedido de informação enviado à Prefeitura, que solicita a ampliação deste recolhimento, além de expandir a divulgação em escolas e bairros do município. “É louvável que haja esse recolhimento, mas precisamos que esta coleta seja ainda maior, atendendo todo o município e estimular os moradores para que descartem da forma correta”, salienta Maria Eliane.

 

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados. *